quarta-feira, 22 de novembro de 2017

Closing time.




Oinofyta Accomodation Center was a refugee hotspot, a Greek refugee camp, but also a winterized, climatized, somehow dignifying small refugee comunity inside Greece. Now it's gone, emptied, no more kids running throught the colourfull corridors. No more patients at the clinic. No more late afternoon volleyball or football games. It's closed and empty as the islands overflow with three times their accommodation space. It's closed and empty, as some of the camps with no air conditioned, no rooms but SUMMER tents, no winter conditions are open and running as winter approaches. It's closed, at least for now.
It's my third time in Greece, my third month here, but for one year and a half I've studied and followed the refugee crisis closely, learning the process, the burocracy, the laws, following the non-mediatic realistic situation, not only from the news, not only from the information I got from the camp, but from the first hand stories of those who actually live this. And if there's something I've learnt was that some of the organizations I once looked up to as big NGOs disappointed me so badly for only seing the numbers and not the needs that now I simply despise them. And that the small organisations do get sh!t done.
As endless bureaucracy it's a reality, camps should be more than few square meters per person. As waiting it's a reality, camps should be temporary communities, temporary homes, temporary happy places. As things slowly get fixed, this accomodation places should be integrating, well equiped and busy so that no one needs to watch as life gets by, so no one needs to press pause on life as decisions over their life are being made for them.
Oinofyta was not the only camp I visited, I also talked with many volunteers from other camps in order to do my master degree thesis. And yes, with many flaws, but with huge projects, with some problems but with many solutions, oinofyta accomodation center was, afterall, a good place. With nearly 150 rooms on a two floor air conditioned building, a clinic, an emergency room, a school that served many ages, a garden, two kitchen areas with gas, bathrooms and showers with hot running water, a football field, an outside gym, a praying schedule and proper place to do it, a computer lab with wifi, a beauty salon, a barber shop, a women space, a sawing center, laundry machines and so on... Anyway, just a reminder that not all the camps look or feel like prisions, not all the camps provide the miserable conditions we are everyday faced with on facebook, some do, some don't. Many articles were made regarding Oinofyta Camp, "a model camp", "an example to follow", and somehow that example doesn't fullfill anymore, not  the community, but the government needs. And I could just go on and on writting about all the wrong reasons this camp was closed and how it should't have been.
Sometimes what feels hopeless and what most certainly is and umberable situation can be eased. Sometimes beautifull things grow on hopeless places.
I always thought I would be here for the closing, on the first minute I was told that it was going to close, I instatly made my mind to be on the closing team. But things moved quicker than expected and I arrived to a closed camp. 
Things change, and we change with them. Bigger projects are now in place, dignifying projects, with comunity integration and a close relation to the Greek population. As Oinofyta Accomodation Center closed we also closed the "temporary accomodation" chapter. It's now time to go permanent. It's  time to grow some roots, it's time to make a home out of this.

-

Oinofyta Accomodation Center, mais um campo de refugiados na Grécia, mas também uma pequena comunidade para refugiados, climatizada, passível de receber as condições de Inverno e de forma providenciar alguma dignidade. Agora está vazia, não há mais crianças a correr pelos corredores coloridos. Não há mais pacientes na clínica. Acabaram-se os jogos de volley ou futebol tardios. Fechou e está vazio enquanto as ilhas estão abarrotadas e acomodam 3 vezes a sua capacidade. Fechou e está vazio enquanto alguns campos funcionam sem ar condicionado, sem quartos mas tendas de VERÃO, sem condições de receber o Inverno que se aproxima. Fechou. Por enquanto por agora.
É a minha terceira vez na Grécia, o meu terceiro mês aqui, mas durante um ano e meio estudei e segui a crise de refugiados atentamente, aprendendo o processo, a burocracia, as leis, seguindo a não-mediática mas realista situação. Não só pelas notícias, não só pela informação que me era transmitida do campo mas contada na primeira pessoa pelos que a vivem. E se há algo que aprendi de facto é que muitas organizações que via como grandes ONGs desapontaram-me tanto por só verem os números e não as necessidades que chego agora a despreza-las pelo trabalho de fachada que apresentam. E as pequenas organizações, muitas dessas sim, atingem objetivos concretos respeitosos e dignificantes.
Sendo infinita a burocracia os campos deviam ser mais do que metros quadrados por pessoa. Sendo a espera real os campos deviam de ser comunidades, casas temporárias, lugares dignos e felizes. Enquanto lentamente as coisas se resolven estas acomodações deviam ser lugares que integram, bem equipados e tão movimentados que ninguém tenha de ficar a olhar enquanto a vida passa, que ninguém tenha de pausar a sua própria vida enquanto outros tomam as decisões por eles.
Oinofyta não foi o único campo que visitei, falei também com inúmeros voluntários de outros campos e até de campos noutros países para fazer a minha tese de mestrado. E sim, com todas as falhas mas também com projetos enormes, com muitos problemas mas imensas soluções, o campo de oinofyta era, apesar de tudo, um bom lugar. Com cerca de 150 quartos num edifício com dois andares e ar condicionado, uma clínica, uma sala de emergência, uma escola que serviu todas as idades, um jardim, duas áreas de cozinha com gas, casas de banho  com água corrente e quente, um campo de futebol, um ginásio ao ar livre, um horário de orações e um local próprio, um contentor com computadores disponíveis e wifi, um salão de beleza, um barbeiro, um espaço para as mulheres, um centro de costura, máquinas de lavar e muito mais... De qualquer forma, apenas para relembrar que nem todos os campos se parecem com prisões, nem todos os campos têm as condições miseráveis que todos os dias vemos em notícias do facebook, alguns sim, mas nem todos. Muitos artigos foram sendo escritos sobre este em específico, "o campo modelo", "um exemplo a seguir", e mesmo assim esse exemplo deixou de satisfazer as necessidades, não da comunidade, mas do governo. E podia passar o dia aqui a escrever e enumerar as razões erradas pelas quais fecharam do campo e infinitas razões pelas quais o fecho não devia ter acontecido.
Às vezes aquilo que parece perdido e situações que são de certeza insuportáveis podem ser aliviadas. Às vezes coisas bonitas constroem-se em lugares perdidos.
Sempre pensei que estaria aqui para o fecho, desde que tomamos conhecimento de que tal iria acontecer, instantaneamente comecei a preparar-me para estar na equipa que ia fechar o campo. Mas tudo aconteceu mais rápido do que o esperado e portanto cheguei a um campo fechado.
As coisas mudam, e nós mudamos com elas. Novos projetos já estão a ser executados, projetos dignificantes, com integração na comunidade e uma relação mais próxima à população Grega. Com o fecho do Oinofyta Accomodation Center nós fechamos também o capítulo da acomodação "temporária". É tempo de abraçar o permanente. Criar raízes. Construir casa.

1 comentário:

  1. Thank you for this thoughtful post. I, too, had wanted to be on the closing team. I hope your time here in November is special in its own way.

    ResponderEliminar